Opinião: Novas tarifas de carregamento
Aumento das tarifas leva a enchente de críticas. Mas afinal o que significa este aumento?
28 dezembro, 2021 por
| Nenhum comentário ainda

O constante aumento do preço dos combustíveis tornou-se algo do quotidiano para os portugueses. Muitos dos quais “fugiram” para o “primo elétrico” por ser bastante mais económico e prático.


Contudo, como vimos recentemente, nem o carregamento dos elétricos está isento de mudanças. O aumento das tarifas para 2022 foi aprovado pela Entidade Gestora da Mobilidade Elétrica (EGME), atualmente, a MOBI.E. A taxa aplicada aos Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME) passa dos 0,1657€ para 0,2964€ por carregamento, significando um acréscimo de 79%. Segundo a informação partilhada pela ACP, os Operadores de Pontos de Carregamento sofrem também do reforço da taxa (0,1657 €/carregamento para 0,2964 €/carregamento). O acesso à rede de carregamentos sobe para 0,60€ ao qual teremos, ainda, de somar o IVA. Já nos carregamentos em casa, devemos esperar um aumento que passará de 0,0385€ para 0,0496€ por dia e por ponto de carregamento. Está planeado que estes parâmetros vigorem de 2022 até 2025.


O que dizem os Utilizadores de Veículos Elétricos?


A Associação dos Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) emitiu um comunicado a 22 de abril de 2021 onde já se opunham às novas tarifas que consideram “completamente desajustadas”, indo contra a corrente de inovação e desenvolvimento da Mobilidade elétrica em Portugal. No passado dia 20 de dezembro, acrescentam que “este aumento das tarifas da EGME de 79% divulgado pela ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) para vigorarem em 2022, a pouco mais de seis meses de terem entrado em vigor, é anunciado contra todas as expectativas criadas pelas diversas reuniões que a UVE manteve nas últimas semanas com as entidades envolvidas no desenvolvimento da Mobilidade Elétrica em Portugal.”


O CLICX apoia a UVE e todos aqueles que operem veículos elétricos neste aumento das tarifas. Mais ainda, consideramos uma afronta aos utilizadores de VE e procuraremos, junto com a UVE, modificar esta tendência de aproximação dos valores de carregamento elétrico àqueles dos carros a combustão. 

Deixando claro que o CLICX, citando a UVE, “repudia o aumento das tarifas da EGME, considerando-as um ataque frontal aos utilizadores de veículos elétricos e ao modelo adotado por Portugal”, exigindo “ uma revisão imediata deste aumento”.



O que sugerimos?


Defendemos e reforçamos as medidas apresentadas em comunicado pela UVE: 

  • “O valor das taxas a aplicar deve ser diferente e mais baixo para os carregamentos normais e de curta duração em relação ao valor das taxas a aplicar aos carregamentos rápidos;”

  • “A aplicação da taxa deverá ser efetuada por energia (kWh) consumida e não por um valor fixo, numa base de que quem carrega mais deverá pagar proporcionalmente, para não serem prejudicados os utilizadores com menor capacidade de carregamento na sua viatura elétrica”;

  • “A comparticipação destas taxas deverá prolongar-se, no mínimo, por mais dois anos para compensar o impacto negativo da pandemia (...) [incentivando] a transição energética nos transportes ligeiros, de passageiros, de mercadorias e a eletrificação das frotas das empresas”;

  • “O impacto destas taxas nos proveitos da EGME deverá ser suportado por fundos públicos afetos à descarbonização da economia e à eletrificação dos transportes, por um período de dois anos, até 1 de maio de 2023”.

Durante estas semanas, iremos investigar as opiniões dos portugueses e mais soluções para este panorama. Iremos atualizar o Blog e as nossas redes sociais com todos os desenvolvimentos.


Fontes:

UVE - Forte e Injustificado Ataque aos Utilizadores da Rede Pública de Carregamento de Veículos Elétricos
https://pplware.sapo.pt/motores/carregamentos-de-eletricos-com-aumento-brutal-em-2022/

PPLWare Sapo - Carregamentos de elétricos com aumento brutal em 2022


Exame Informática - UVE: Novas tarifas de carregamento são um “ataque frontal aos utilizadores de veículos elétricos”



PARTILHAR
Iniciar sessão to leave a comment